domingo, 24 de fevereiro de 2008

Antes de postar algo novo, tenho a obrigação de agradecer a todo mundo que esteve "junto" estes dias. Atribuem a Leonardo Da Vinci(?) a frase que anuncia uma grande verdade: que estar junto não é estar do lado, mas sim do lado de dentro. Sendo assim, à torcida que povoou esse blog e o orkut, o meu muitíssimo agradecimento, vindo lá do coração, cheio de carinho e gratidão. Acho que qualquer coisa boa que acontece na nossa vida não teria a mínima graça se não pudéssemos compartilhar com quem a gente gosta.E é por isso que é tão bom ter com quem contar e a quem contar! Obrigada leitores, amigos, leitores-amigos, amigos-leitores, todo mundo e todo o mundo. No fim, tudo forma uma engrenagem perfeita em que uma única peça faz diferença.

Dito isto, vamos voltar à forma, de escrever. Aliás, eu sempre digo às pessoas que todo mundo devia ter um blog. Mesmo que vc ache que não sabe escrever, que escreve mal ou bem demais, que ninguém vai ler ou que alguém vai ler. Não importa. Podemos escrever por N motivos. No meu caso, serve como válvula de escape, praticamente para tudo. Na tpm, eu escrevo, na tristeza, escrevo, na alegria, escrevo, até que a morte me separe. Escrever faz bem para qualquer um. Quem não gosta de se expor, escreva dissertações sobre qualquer tema; quem não suporta digitar, escreve diário; quem odeia escrever sobre tudo, leia quem escreve. Mas escrever tem, definitivamente, que fazer parte da nossa vida.

No vestibular, nem me preocupava com redação. Desde os 8 anos eu tinha diário (eu sempre fui meio precoce...), aos 9 escrevi uma estória de amor, aos 12 fazia poemas para minha paixão da semana. Aos 17, no vestibular,já tinha quase 10 anos de carreira, hehehe!!!

Então, acho que fazer um blog é um bom negócio. Eu adotei-o como forma de fazer meus papéis não voarem, e acho que foi uma boa idéia. A gente acaba aprendendo, com as palavras, a expressar nosso silêncio. Por falar em silêncio, vi por estes dias um dos meus livros favoritos em filme, "O Caçador de Pipas" e não gostei tanto. No livro, há palavras que jamais terão o seu correspondente em imagens. Pra exemplificar o que digo e ao mesmo tempo mostrar como escrever é uma ponte para nossos sentimentos mais profundos, aqui vai uma das passagens mais lindas do livro, cujas palavras encerrarão com muito mais talento esse post:

"Seria um erro dizer que Sohrab era quieto.
Quieto significa em paz.Tranquilidade.
Estar quieto é baixar o botão do volume da vida.
O silêncio é pressionar o botão para desligar.
Desligar tudo.
O silêncio de Sohrab era o silêncio auto-imposto daqueles que têm convicções,
daqueles que protestam,que tentam defender a sua causa recusando-se a falar.
Era o silêncio de quem se escondeu no escuro,
dobrou todas as bordas e as prendeu,
bem enfiadas nos cantos,como se faz com um lençol..."


O Caçador de Pipas ( Khaled Hossein ).

3 comentários:

Poliana disse...

hum... escrever...

eu gosto de escrever... acho que me expresso mais por palavras escritas do que por palavras ditas... na verdade escrevo mais que ouço! O que não quer dizer que escrevo bem.. mas eu gosto.. assim como vc, é minha forma de desabafo... é fato que qd estou feliz as palavras(escritas) me fogem... mas eu sempre gosto de ter registrado(além da mente) algo que me marcou... acho que é por isso que amo tanto a fotografia.. e sua arte!
(e eu tinha um diario.. ate ano passado escrevia diariamente numa agenda.. e tb tinha um blog, mas ele morreu.. ¬¬)

;)

Bju Vivi!

Franco disse...

Perfeita a definição sobre estar junto...
Bjão!

Daniel disse...

Ihhhh... gostei desse silêncio não. Uma postagem por semana para quem postava dia sim dia não... Tudo bem, até a autora tem direito a férias. Rsrs.