quinta-feira, 5 de março de 2009

Senhor, tende Piedade!

Ontem eu voltei do Recife pegando uns 32 ônibus antes de chegar no carro da minha carona, em Paulista. Mas, embora seja péssimo enfrentar um calor escaldante carregada de malas e apreensiva em não ser assaltada, eu acho bom andar de ônibus. Quando não estou sabendo da história de quem está do lado, eu fico olhando pela janela a beleza do cotidiano, e como há beleza! Gente suando a camisa (literalmente) pra ganhar o trocado de cada dia, vejo mulheres que deixam os filhos penteados e limpos na escola e correm (tb literalmente) pra pegar outra condução pro trabalho, vejo os dizeres das pichações ( confesso que algumas me fazem rir: "respeite o próximo!" riscado numa parede branca de uma casa...), vejo também aqueles que enfretam o sol a pino para vender água no sinal e vejo também aqueles que enfrentam o mesmo sol para furtar.

Mas ontem eu não vi muita coisa porque estava mais interessada na história da Maria da Piedade, que mora em...Piedade! Ela odeia o nome dela, embora eu tenha dito que achava muito bonito. Mulata de batom vinho e cabelo penteado (e bem puxado) pra trás, tem 27 anos e 2 filhos. O pai das crianças abandonou a família para "ficar com uma nega dos cabelos pintados daquele louro horroroso de Joelma do Calypso,sabe?", e ela ficou com os dois filhos pra criar. A mãe não a aceitou de volta em casa e Piedade foi à luta. Nunca deixou os filhos faltarem um dia de aula, mesmo que não tivessem o que almoçar. Trabalhando nas casas "de família" conseguiu alugar um barraquinho e ter a casa sempre "limpa, porque ser pobre não é ser imundo não." Conseguiu, só Deus sabe como, terminar o segundo grau estudando à noite e tentou uma vaga para ser auxiliar de serviços gerais em uma indústria, em Olinda.

Para conseguir essa vaga, o candidato não devia ter apenas o 2º grau completo, mas também ter noções de inglês! Quando ela me falou isso, disse, com raiva: "até pra limpar m... a pessoa tem que falar inglês?". Caímos na risada e ensinei como falar "shit!" da próxima vez! Enfim, Piedade passou nos testes, superando outros milhares de candidatos, inclusive "gente formada!", e estava indo se apresentar levando as certidões criminais para provar sua boa índole."Ah, menina, fui lá na Justiça Federal, gastei 2 passagens, depois fui aí nesse fórum( estadual) e a infeliz da juíza não estava aí pra assinar. Já pensou se por causa disso eu perco o emprego?".

Depois de narrar toda sua odisséia, eu pergunto a ela quanto, afinal, valia esse esforço todo.Ela iria ganhar R$500,00 (quinhentos reais) por mês para trabalhar das 8h às 18h.Me doeu no coração saber que o esforço de Piedade valia só isso. Mas como ela disse, "pelo menos, tem carteira assinada e é uma coisa certa. Pior é a maioria do povo lá da rua que não tem nem o dinheiro da feira."

Como eu sempre penso, o mundo é injusto. Mas quando vejo histórias como a da minha companheira de ônibus, percebo que existem almas que fazem toda a diferença. Como seria bom se existissem mais Piedades no mundo, que "levantam, sacodem a poeira e dão a volta por cima".
Quando dei um abraço nela, depois de 1h de conversa e muitos anos de amadurecimento a mais, desejei boa sorte e dei meu telefone, caso ela precisasse de ajuda algum dia. Ela agradeceu e me garantiu que, se ligasse, seria pra me dizer que passou no vestibular.

Ao vê-la saindo do ônibus, lembrei de uma música que eu adoro do Cazuza, e a dedico para minha querida Piedade, com a prece de algum dia, muitos sejam "iguais a você":


Blues da Piedade

Agora eu vou cantar pros miseráveis
Que vagam pelo mundo derrotados
Pra essas sementes mal plantadas
Que já nascem com cara de abortadas

Pras pessoas de alma bem pequena
Remoendo pequenos problemas
Querendo sempre aquilo que não têm

Pra quem vê a luz
Mas não ilumina suas minicertezas
Vive contando dinheiro
E não muda quando é lua cheia

Pra quem não sabe amar
Fica esperando
Alguém que caiba no seu sonho
Como varizes que vão aumentando
Como insetos em volta da lâmpada

Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Pra essa gente careta e covarde
Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Lhes dê grandeza e um pouco de coragem

Quero cantar só para as pessoas fracas
Que tão no mundo e perderam a viagem
Quero cantar o blues
Com o pastor e o bumbo na praça

Vamos pedir piedade
Pois há um incêndio sob a chuva rala
Somos iguais em desgraça
Vamos cantar o blues da piedade

Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Pra essa gente careta e covarde
Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Lhes dê grandeza e um pouco de coragem

5 comentários:

Rodrigo Aurélio disse...

**Aplausos**

Aplausos pra Piedade, que é o que temos em nós, "O Brasileiro", que vive dentro de nós, uns se manifestam outros adormecem. Espero que a "Piedade" que vive em mim possa sim acordar. E Graças a voce, acabo olhando com outros olhos.

Camila disse...

O texto e música deram um casamento perfeito!

Adorei a sua narrativa sobre Piedade.

Muitas vezes o que essas pessoas mais querem é desabafar suas histórias, pois é muito difícil ter quem as escute no corre-corre da vida...e do ônibus, onde todos estão tentando resolver as suas próprias histórias, sem se preocupar com quem está ao lado.

Beijos amiga e *aplausos* para Piedade!

Andréa disse...

Viviane, adoro quando vc escreve. Fazia tempo que não visitava seu blog e hj li a história de Piedade, que me levou da tristeza ao sorriso, quando li a parte dos critérios para o emprego. PIEDADE É BRASIL .... Andréa Luna

Fabiano disse...

Estava com saudades de seu texto.

Creio que, nesse instante, mais importante que parabenizá-la pelo texto, é agradecer a Piedade por possibilitar esse olhar da realidade tão bem explicitada por vc.

Bjs e saudades.

Fabiano

Poliana disse...

Sensibilidade que nem todos tem...
Talvez no seu lugar eu perderia a oportunidade de amadurecer...
Não sei, mas ando tão assustada com o mundo que nção dou brecha pra piedade..
;~
e isso é tão triste...