quarta-feira, 25 de março de 2009

Para Seu Renato.


Papai,

Hoje é seu aniversário e se eu tivesse coragem suficiente, ou apenas aquela que vai além de dizer "parabéns, pai, eu te amo", eu diria que você ainda é o meu herói, ainda que seja mais parecido com o Chapolin e não com o Super-Man, que eu sinto falta de ter menos de 1,20m pra você me contar histórias, que eu pareço ter todas as lágrimas do mundo nos olhos quando falo de você. Se eu pudesse te falar o quanto você é importante para mim, eu diria para você enxergar meu coração e descobrisse ali um amor profundo por você, aquele tipo de amor que não se esvai, que não agoniza, que não morre. Se eu tivesse coragem, eu te diria tanta coisa,mas pobre de mim, pai, eu não aprendi a falar,ainda que eu saiba escrever. A minha sorte é que hoje eu posso te dar um abraço e talvez na hora em que eu beijar sua testa, você possa entender meus sinais, entender que eu ainda não sei amar direito, que meu coração é um terreno desconhecido para mim e que do amor eu não sei dizer,só sei sentir.
Mas quem sabe,Pai, um dia a gente possa mentir pra gente mesmo só um pouquinho, porque eu queria tanto ainda ter 6 anos e te dizer sem pudores que eu te amo, ainda que eu nem soubesse o tamanho da força dessa frase, e ser retribuída com um abraço alto, no céu, tendo a certeza de que eu estava voando pelos braços do meu super-pai que tinha super-poderes. Eu queria tudo isso,Pai, mas a vida me transformou nessa droga de adulta que só consegue murmurar um "parabéns, pai ,te amo" e esconder as lágrimas, porque parece que neste mundo desarranjado, só sobra espaço para o que a gente se acostumou a ser, e não para o que pulsa em nós.
De toda forma..."parabéns, pai, eu te amo."

5 comentários:

deynaleao disse...

Parabéns, pro gatão!!! Lindo texto, amiga...e aproveite cada minuto com seu pai...beijo.

Luana Magalle disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luana Magalle disse...

:~)

Emocionou...

Moema disse...

Engraçado como hj mesmo eu tava comentando o qto eu fui boba e aproveitei tão pouco o tempo que vivi ao lado do meu pai... Embora eu morresse de vontade de abraçar, de demonstrar o amor que sentia, eu fazia muito pouco (e eu achava que tinha minhas razões)...
Hj eu gostaria muuuito( e vc nao tem idéia do qto!!) de ter meu pai ao meu lado para compartilhar com ele td que vivo, e principalmente p/ fazê-lo saber de forma clara, o qto eu o amo com um "amor que não se esvaira" como vc tão bem escreve, Vivi!
Aproveite que vc tem o privilégio que eu não tenho... e ame! Aliás, não só ame, mas faça seu amor ser visível, perceptível!!!
Um beijo!

Camilla Pitanga disse...

Vivi...chorei...Muito lindo e muito real....Beijo