domingo, 17 de agosto de 2008

Minha amiga Magalle me explicou ontem a história da música "Segundo Sol" de Nando Reis. Ele escreveu a música para uma amiga que, diante do fim de um grande amor, tinha certeza que jamais se apaixonaria de novo. Dizia que era mais fácil aparecer "2 sóis num dia" do que ela amar outra pessoa. E ele rebatia falando que certamente aquilo iria acontecer de novo, era apenas uma questão de tempo. Eis que um dia, a amiga telefona, dizendo que o impossível agora era real. E neste dia, ele escreve a música(que,agora, parece fazer todo o sentido) :


Quando o segundo sol chegar
Para realinhar as órbitas
Dos planetas
Derrubando
Com assombro exemplar
O que os astrônomos diriam
Se tratar de um outro cometa...


Não digo que não me surpreendi
Antes que eu visse, você disse
E eu não pude acreditar
Mas você pode ter certeza
De que seu telefone irá tocar
Em sua nova casa
Que abriga agora a trilha
Incluída nessa minha conversão...


Eu só queria te contar
Que eu fui lá fora
E vi dois sóis num dia
E a vida que ardia
Sem explicação...


Engraçado como pensamos sempre em definitividade na vida, sem nos darmos conta de que a própria vida também acaba. O mais bonito de pensar na provisoriedade do tempo é que ao sepultarmos alguma coisa, acabamos por abrir espaço para tudo que ainda virá. E é bom saber que não apenas um segundo sol pode existir, mas também uma segunda face de nós mesmos quando a primeira já não nos cabe. Apesar da história falar de relacionamentos(e,acredite, sempre haverá um segundo sol), acho que a gente pode pensar na música de uma maneira mais ampla ou quem sabe, mais restrita, já que podemos olhar pra nós mesmos.


Ontem liguei a TV (tira-visão) na hora em que uma mulher, sorridente e paraplégica, falava pro Luciano Huck: "Quando eu fui atingida por uma bala perdida e perdi meus movimentos,Luciano, eu sabia que Deus iria me prover com tudo o que eu precisasse. Não pedi nada, apenas Saúde, para conseguir criar meus filhos, mesmo com as limitações. Acho que só há duas formas de viver a vida:uma é vivendo bem, a outra é não vivendo."


Aquela frase ecoou na minha mente por muito tempo. Fiquei pensando em quantas vezes achamos que não suportaremos uma situação, que a carga é pesada demais, que não vamos conseguir. Mas o 'segundo sol´existe, e 'sem explicação', descobrimos que o que éramos antes já não existe mais. Ressurgimos mais fortes, mais maduros, mais conscientes de tudo o que temos de bom e que ainda podemos ter. Acho que a criação, definitivamente, não acaba com o nascimento. Ela continua a existir em cada dia, quando nos recriamos, nos reiventamos, nos descobrimos. A Madonna está no topo por se reiventar a cada álbum. Acho que é uma dica sobre como a gente pode ser mais feliz. Nada de pensar no "para sempre" ou 'nunca", tampouco no "jamais". Vamos pensar que em cada momento, a vida nos exige mais de nós mesmos e que essa pode ser a nossa chance de descobrirmos tudo aquilo que a gente ainda pode ser. Quem sabe um dia, contar que vivemos "a vida que ardia sem explicação..."

10 comentários:

Lucas Peixoto disse...

Eu até que tento, mas sempre que me reinvento, fica um resquício de mim!!

Poliana disse...

Vivi... suas palavras sempre soam de maneira tão suva e , ao mesmo tempo, forte... Tudo toca... transforma... e quando a gente mais se sente tocado, é quando nem imaginávamos o que precisavámos ouvir... muito menos, que tinhamos essa necessidade... Anjo bom! ;) Obrigada por me ajudar, até mesmo qd nem eu sabia que precisava!! ;***

Poliana disse...

corrigindo
*suave

yve disse...

ai ai vivis...
como leitora assídua do seu blog, posso dizer q esses pensamentos foram direto pra mim... vc sabe pq ne? hehehe
como vc falou, agora essa música faz todo o sentido...
bjosss!!!

Luana Magalle disse...

"Antes que eu veja, você diz e eu não posso acreditar. Mas você pode ter certeza...de que seu telefone irá tocar"
Muitos sóis aparecerão em nossas vidas e, sem dúvida, vc já foi um na minha! =)

Bjos!

umceulilas disse...

coisa mais linda!!
a gente já tem essa mania de achar que tudo é definitivo!. O bom é descobrir-se apaixonada novamente e ver que o ciclo continua. E que até um segundo sol pode aparecer se a gente se permitir.

Adorei!

Anália

Lola entre linhas disse...

O "segundo sol", tanto quanto "Noites com Sol", são possibilidades. Gostei muito do seu texto.Tanto pela escrita quanto pelos exemplos.Vi o programa de Luciano no dia q vc citou.E fiquei muito feliz em perceber q existem pessoas q, ao invés de chorarem o leite derramado, cuidam para ñ deixar o restante derramar tb.

Lola entre linhas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Cecília disse...

Eita eita!Sempre é uma imensa alegria poder ler seus textos Vivianne.A cada leitura descobrimos algo nas linhas (ou nas entrelinhas) que nos faz repensar para poder
viver com alegria e intensidade, além de nos fazer perceber como vale à pena se reinventar e direcionar a vida para um novo rumo.
Parabéns moça por falar de sentimento de forma tão densa e simultaneamente tão suave!

:*****

Anônimo disse...

VAMOS BRINCAR DE ATUALIZAR O BLOG?